quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

EX-MINISTRO DO SUPREMO JOAQUIM BARBOSA, COMO SEMPRE CONTUNDENTE EM SUAS MANIFESTAÇÕES...

  

FCO.LAMBERTO FONTES
Trabalha em JORNALISMO INTERATIVO
Mora em ARAXÁ/MG

1 blogspot, + 1 página no facebook, + de 90 grupos no facebook, + twitter,
+ de 1.000 blogs e comunidades no google+, + de 445 conexões no LinkedIn. 

  554.007 visualizações em 47 meses 

1 DE DEZEMBRO DE 2016

JB: IMPEACHMENT FOI ENCENAÇÃO E GOVERNO TEMER PODE CAIR
Para o ex-ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Joaquim Barbosa, que comandou  julgamento do mensalão, o impeachment de Dilma Rousseff foi "uma encenação" comandada por políticos corruptos que queriam apenas se proteger; em entrevista à colunista Mônica Bergamo, Barbosa disse que o Brasil se transformou em um anão político e que o governo de Michel Temer corre o risco de não chegar ao fim; o ex-ministro diz ainda identificar uma "fúria" contra Lula; para ele, prisão do ex-presidente sem fundamentos só prejudicaria ainda mais a imagem do país

247 - Para o ex-ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Joaquim Barbosa, que comandou  julgamento do mensalão, o impeachment de Dilma Rousseff foi "uma encenação" que fez o país retroceder a um "passado no qual éramos considerados uma República de Bananas". 

Para ele,processo foi comandado por políticos corruptos que queriam apenas se proteger. Em entrevista à colunista Mônica Bergamo, Barbosa afirma ainda que o governo de Michel Temer corre o risco de não chegar ao fim.

"Aquilo [impeachment de Dilma] foi uma encenação. Todos os passos já estavam planejados desde 2015. Aqueles ritos ali [no Congresso] foram cumpridos apenas formalmente.

No momento em que o Congresso entra em conluio com o vice para derrubar um presidente da República, com toda uma estrutura de poder que se une não para exercer controles constitucionais mas sim para reunir em suas mãos a totalidade do poder, nasce o que eu chamo de desequilíbrio estrutural.

Essa desestabilização empoderou essa gente numa Presidência sem legitimidade unida a um Congresso com motivações espúrias. E esse grupo se sente legitimado a praticar as maiores barbáries institucionais contra o país."

O ex-ministro considera que, devido às circunstâncias, o governo de Michel Temer pode não chegar ao fim. 

Para Barbosa, diz que só eleições diretas para a Presidência podem reparar os "trunfos" que foram perdidos pelo cargo com a chegada ilegítima ao poder. 

Sobre uma eventual prisão de Lula, Barbosa é enfático: se não houver provas incontestáveis, quem perde é o Brasil. 

"Sei que há uma mobilização, um desejo, uma fúria para ver o Lula condenado e preso antes de ser sequer julgado. E há uma repercussão clara disso nos meios de comunicação. Há um esforço nesse sentido. Mas isso não me impressiona. Há um olhar muito negativo do mundo sobre o Brasil hoje. 

Uma prisão sem fundamento de um ex-presidente com o peso e a história do Lula só tornaria esse olhar ainda mais negativo. Teria que ser algo incontestável."

Seis meses atrás, Joaquim Barbosa já havia criticado o processo.

VÍDEO DA ENTREVISTA:

video