terça-feira, 7 de março de 2017

SEM PROVAS CONTRA LULA - NESTE REGIME DE EXCEÇÃO DA DECADENTE POLÍTICA BRASILEIRA E DESPOTISMO CONVENIENTEMENTE NOS INTERESSES DO JUDICIÁRIO, NADA À VISLUMBRAR DE FUTURO BOM PARA NOSSO BRASIL...


FCO.LAMBERTO FONTES
Trabalha em JORNALISMO INTERATIVO
Mora em ARAXÁ/MG

1 blogspot, +  3 páginas pessoais no facebook + 1 página no facebook em Jornalismo Denunciador, + postagens em + de  90 grupos diversos no facebook, + twitter, + de 
1.000 blogs e comunidades no google+, + de 458 conexões no LinkedIn. 

07 / 03 / 2017





video


247 - O processo sobre o caso do triplex no Guarujá, que acusa Lula de ter se beneficiado de benfeitorias como reforma e o próprio imóvel por parte da empreiteira OAS, investigada na Lava Jato, tomou o depoimento de 68 pessoas em defesa de Lula.
O último a falar ao juiz Sergio Moro, nesta terça-feira 7, foi o ex-ministro da Controladoria Geral da União durante os governos Lula e Dilma, Jorge Hage, que destacou ao magistrado que Lula iniciou o combate à corrupção e nunca interferiu nesse tipo de ação.
Segundo o advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins, por conta do "sólido" depoimento de Hage, a defesa optou por dispensar as quatro últimas testemunhas, uma vez que "67 depoimentos já colhidos revelaram que Lula jamais teve participação nos desvios de valores na Petrobras ou com o apartamento no Guarujá".
"No total já são 68 depoimentos, que mostram que Lula está sendo acusado sem nenhuma prova, apenas para atacar a sua imagem e a imagem dos seus familiares", disse Zanin em vídeo (assista acima).
Em seu depoimento, Hage afirmou que a CGU foi implantada durante o governo Lula, passando a ter uma atuação sistêmica no combate à corrupção, juntamente com outros órgãos, como o Ministério Público e a Polícia Federal.
Zanin Martins descreveu que, no depoimento a Moro, Hage lembrou que foi durante o governo Lula que houve a criação da ENCCLA - Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro -, cujas reuniões contavam com a participação de 50 entidades ligadas ao combate à lavagem de capital e jamais qualquer dos participantes, dentre eles o próprio juiz Sergio Moro, levantou qualquer problema relacionado a desvio de valores ou a pagamento de propina na Petrobras.