sábado, 18 de outubro de 2014

QUEM ESTÁ NA LAMA??? >>>>> AÉCIO E TODA A SUA TROPA DE ELITE.



FCO.LAMBERTO FONTES
Trabalha em JORNALISMO INTERATIVO
 em ARAXÁ/MG.
1 blog - 1 página - 18 grupos  - 271.413    visualizações




Postado em 16 out 2014

Os contendores
Primeiro que tudo, acho importante que haja agressividade em debates presidenciais, e que questões pessoais sejam trazidas à discussão.
É o interesse público que está em jogo.

A sociedade tem que conhecer melhor cada candidato.

O pior cenário, para os cidadãos, seria uma conversa de lordes ingleses, com elogios mútuos e protocolares em meio a goles de chá.
Por isso dou nota elevada ao debate de hoje no SBT.

Onde alguns viram baixaria enxerguei a tensão, a eletricidade, a adrenalina dignas de uma disputa presidencial.

A grande diferença entre Dilma e Aécio esteve no conteúdo da agressividade.
Aécio fez o que sempre faz. Pediu generosidade quando jamais é generoso. Pediu respostas quando ele invariavelmente tergiversa. Pediu sinceridade quando é cínico em regime de tempo de integral. Pediu humildade quando é arrogante a ponto de falar em nome dos brasileiros.

Num momento de descaro abissal, comparou o caso do irmão de Dilma ao time de parentes aos quais ele dá altos cargos públicos quando pode.
Uma rápida pesquisa mostra que Igor Rousseff foi assessor do prefeito petista Fernando Pimentel, de Belo Horizonte.

Depois disso, nunca ocupou cargo público nenhum. Disse o Globo, o insuspeitíssimo Globo, num perfil de 2011: “Quem não conhece o Igor não fica sabendo nunca que ele é irmão da presidente. Morre de medo de pensar que quer tirar proveito disso.” (Aqui o link.)

Pois Aécio quis tirar proveito disso.

Não há termo de comparação entre o caso da irmã de Aécio e o caso do irmão da Dilma. Mas fingiu – nisto ele é mestre – que são coisas iguais.
Andrea Neves ocupou sob Aécio um cargo – ainda que formalmente não remunerado – que dava a ela o comando das verbas publicitárias estaduais.

Sabe-se, porque a Folha enfim resolveu investigar um pouco o candidato tucano, que o governo de Aécio colocou dinheiro público nas rádios da família.

É, em si, uma indecência. Isso piora quando, numa afronta brutal ao conceito de transparência tão citado por Aécio, ninguém informa quanto foi o dinheiro público investido nas rádios.

E não é apenas Andrea. É o cunhado, são primos, agregados – em funções muitas vezes de mando.

Meritocracia?
Só se for pela ótica de quem, aos 25 anos, foi nomeado diretor da Caixa Econômica Federal pelo mérito de ser neto de Tancredo Neves.

Aécio não surpreende. A cada debate, ele faz mais do mesmo.

Dilma, ao contrário, surpreendeu ao adotar o mesmo tom de Aécio. Ou quase o mesmo: Aécio a chamou de mentirosa várias vezes e Dilma disse o mesmo uma ou duas.
Onde ela avançou em relação ao primeiro debate: não deixou que certos assuntos sumissem da discussão.

O aeroporto de Cláudio é o maior exemplo. Aécio fala, tergiversa, se desvia – mas não consegue dar uma única explicação convincente para o aeroporto de uso privado construído com dinheiro público.

Jornalistas de Minas disseram que essa história já era conhecida nas redações. Mas ninguém publicava pela censura que, na prática, Andrea Neves comandava para proteger o irmão de notícias desfavoráveis.

Eis o conceito de liberdade de expressão de Aécio.

Para quem lida com palavras como eu, irritou particularmente a manipulação de Aécio ao usar uma frase de Dilma que, supostamente, seria um incentivo à corrupção.

O significado da frase é o seguinte: todo mundo pode cometer corrupção.

É uma verdade verdadeiríssima.

Ninguém está acima às tentações que o poder e a sensação de impunidade trazem, como mostra o próprio episódio do aeroporto de Cláudio.

A questão é fiscalizar e punir.

Neste sentido, o PSDB – dos votos comprados para a reeleição de FHC às propinas do Metrô de SP – não tem muita coisa a dizer.
No debate, Aécio voltou a afirmar que não havia evidências de nada nos casos de corrupção do PSDB.

Hoje mesmo, viralizou na internet o depoimento do jornalista Fernando Rodrigues, da Folha, autor do furo em 1997 sobre a compra de votos.

“Não eram evidências”, disse ele. “Eram provas.” Ninguém investigou – incluída, como lembra Rodrigues, a mídia.

Como FHC era presidente, e amigo dos donos da mídia, entendeu-se que não era assunto a compra de votos para que ele pudesse se reeleger.

(Aqui, o vídeo.) >                 video
        

Como Lacerda, Aécio fala em “mar de lama” olhando para o outro. Ambos deveriam, no entanto, olhar para o espelho.
(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).




QUANDO EU VEJO AQUELE CARRÃO DE LUXO COM O ADESIVO "FORA DILMA", EU PENSO, SÓ PODE SER PORQUE:

1.Esse aí perdeu a escrava doméstica;
2.
Esse aí não consegue alugar seus apartamentos por causa do "Minha Casa, Minha Vida";
3.
Esse aí está pagando faculdade particular dos filhos por causa do monte de estudantes pobres e negros que estão na universidade pública via cotas;
4.
O filho recém formado desse aí perdeu a vaga para um técnico formado pelo Pronatec; 
5.Esse aí está deixando de bater seu ponto no posto de saúde da periferia e voltar rapidinho para atender no consultório particular por causa do "Mais Médicos"
6.
Esse aí acha que os aeroportos tornaram-se "rodoviária" de tanto pobre viajando de avião;
7.
Esse aí fica muito mais tempo preso no trânsito com seu carro, engarrafado no meio de um monte de carro popular guiado por domésticas, cabeleireiras, pedreiros e porteiros.
8.
Esse aí acha um absurdo pagar 27,5% de imposto de renda e ver o governo repassar 0,45% disso para o Bolsa Família;
9.
Esse aí nunca abriu um livro de história do Brasil e sequer sabe que a escravidão acabou em 1888 ou que em 1942 Getúlio criou a CLT ou ainda que dos últimos 514 anos o Brasil só teve 12 anos de governos populares;
10.
Esse aí assina a Vesga e adora assistir diariamente a Rede Esgoto.

Mais uma:

Se eu vou votar em Dilma? Sim!

 1 - Sim pelo Prouni.
 2 - Sim pelo Pronatec.
 3 - Sim pelo Pronaf.
 4 - Sim pelo Minha Casa Minha Vida.
 5 - Sim pelo Luz Para Todos.
 6 - Sim pelo Água Para Todos.
 7 - Sim pelo Ciências sem Fronteiras.
 8 - Sim pela redução do desemprego a menos  de 5%.
 9 - Sim pelo pagamento da dívida com o FMI.
10 - Sim pela inflação cortada pela metade.
11 - Sim pelos 30 milhões que não passam mais  fome.
12 - Sim pelos 50 milhões que agora tem  consulta médica.
13 - Sim pela redução de 20% nas internações  em hospitais como efeito do 
Mais Médicos.
14 - Sim pelo fim do uso privado do dinheiro público em aeroportos e afins.
15 - Sim pelo Brasil entre as 7 maiores economias do mundo.
16 - Sim pelas 18 Universidades Federais  construídas.
17 - Sim pelas 370 escolas técnicas  construídas.
18 - Sim !! para que o Brasil sombrio de 12  anos atrás não volte mais...