terça-feira, 14 de julho de 2015

ARAXÁ SÓ NÃO PRODUZ POLÍTICOS ÉTICOS E ... ???




FCO.LAMBERTO FONTES
Trabalha em JORNALISMO INTERATIVO
Mora em ARAXÁ/MG.
 1 blog - 1 página - Twitter, + de 40 grupos no Face, + de 496 blogs e comunidades no google+, + de 376 conexões LinkedIn  - 390.402 visualizações / 31 meses




11/07/2015
Jovem de Araxá
consegue estágio na Nasa
e pesquisa relevo de Marte
Vinícius Andrade buscou oportunidade pelo Ciências Sem Fronteiras.
Aluno começou estágio durante férias de verão nos Estados Unidos.

Maritza Borges e Marcelo Lemos
Do G1 Triangulo Mineiro

video


A paixão por aviação leva Vinícius Andrade Borges, de 23 anos, a voar alto na vida. Estudante de engenharia de automação no Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet) de Araxá, no Alto Paranaíba e também piloto de avião, o jovem está nos Estados Unidos participando desde o último mês de um projeto na agência espacial americana Nasa.
Vinícius conseguiu a oportunidade depois de ser selecionado no programa Ciências Sem fronteiras e estudar na Universidade do Colorado, em Colorado Springs. Na Nasa, o estudante pesquisa relevo, minerais e até o gelo de Marte.
Durante o curso na universidade, o piloto estudou disciplinas relacionadas à engenharia aeroespacial, mecânica e elétrica. Mas durante o curso, o estudante já pensava no que faria nas férias de verão americanass, que são entre junho e julho. Andrade, porém, não queria exatamente descansar. Ele buscou o estágio através do site da Nasa e conseguiu a oportunidade depois de ter o currículo analisado por um cientista brasileiro, pesquisador da instituição, Daniel Nunes. A partir disso, Vinícius se mudou para Pasadena, distrito de Los Angeles na Califória, para começar o estágio.
“Assim que eu soube que o estágio era uma atividade prevista eu comecei a procurar em instituições que ofereciam essa atividade. Eu tinha como foco empresas no ramo de tecnologia  no setor aeroespacial, porém essas empresas têm várias restrições para estrangeiros devido à questões de segurança interna. Mas eu nunca perdi a esperança e continuei à procura de uma oportunidade", disse.
Certo dia, no site da Nasa, Andrade encontrou informações sobre a pesquisa de um cientista brasileiro e entrou em contato. "Ele foi bastante atencioso comigo", afirmou.
Com autoconfiança, Andrade deu o passo necessário e conseguiu entrar na maior instituição aeroespacial do mundo. Lá dentro, começou a pesquisar duas naves, sendo que uma está na órbita de Marte e a outra em solo.
“O projeto gira em torno de realizar o modelamento de dados e sinais através dos softwares obtidos pela nave espacial chamada Mars Reconnaissance Orbiter (MRO) que se encontra atualmente na órbita do planeta Marte e também dados do MER-B Opportunity, um veículo explorador geológico da Nasa que se encontra no solo de Marte desde Janeiro de 2004”, explicou.
Vinícius tem a oportunidade de analisar inúmeros dados de Marte desde a relevo até o gelo do local. “O MRO contém uma série de instrumentos científicos e de engenharia, tais como câmeras, espectrômetros, instrumento usado na determinação do índice de refração, e radares, que são utilizados para analisar a superfície e subsolo de Marte.
O MRO abre caminho para futuras naves espaciais, monitorando as condições diárias do planeta, estudando possíveis locais de pouso e hospedagem de um novo sistema de telecomunicações, o qual irá transferir mais dados para a Terra do que todas as missões interplanetárias anteriores combinados”, contou.

Vinícius pesquisa relevo do planeta Marte na Nasa
(Foto: Vinícius Andrade/Arquivo Pessoal)

Vinícius deve voltar ao Brasil em 2016, e quando chegar não pretende ficar com os pés no solo. Após concluir o curso de engenharia de automação, o estudante quer ser piloto de grandes companhias aéreas.
“A minha vontade é me tornar piloto de linha aérea de alguma companhia de aviação. Sempre foi um sonho e não vejo a hora de alcançá-lo. Creio que o conhecimento adquirido durante o intercâmbio e a graduação irão ser fundamentais e decisivos nos meus planos futuros.
As aeronaves comercias atuais são praticamente 100% automatizadas, e o curso de engenharia de automação me permite uma visão mais ampla e aprofundada do que se passa por trás de todos os avançados sistemas envolvidos em uma aeronave”, afirmou.

Vinícius é piloto de avião comercial 
e sonho em ser piloto de grandes companhias aéreas
(Foto: Vinícius Andrade/Arquivo Pessoal)